Os pródigos fãs da música instrumental

Sem título

Lauro Lisboa Garcia – Especial para o Estado – O Estado de S. Paulo.

O país das cantoras também é afortunado pelo enorme elenco de bons instrumentistas, mas a canção prevalece maciçamente. A música instrumental brasileira sempre ficou estigmatizada como algo hermético, para poucos, apesar da popularização de gêneros como o choro e o samba-jazz. Porém, como o metropolitano que se diz cosmopolita, mas não conversa com o vizinho, músicos tradicionais tendem a menosprezar colegas e bandas de estilos mais pop e festivos.
Pois esses que vêm quebrando preconceitos de músico que toca para impressionar outro músico, nem por isso fazem trabalhos menos elaborados. Com shows e discos de perfil mais dançante e menos “cabeça”, bandas como Bixiga 70, Orquestra Brasileira de Música Jamaicana, Macaco Bong, Abayomy Afrobeat Orquestra, Orkestra Rumpilezz e músicos como Guilherme Kastrup, Thiago França e Webster Santos fogem do padrão choro-baião-jazz-samba, sem negar as influências das tradições brasileiras.

As ações do programa mineiro Conexão, que atua pela primeira vez em São Paulo, com shows de encerramento dessa etapa do projeto neste e no próximo fim de semana (inaugurando a ocupação cultural do Largo da Batata), refletem essa tendência. “A ideia dessa programação é mesmo fugir do rótulo de que música instrumental é só pra músicos ou iniciados”, diz Alysson Brenner, curador da Conexão SP. “Por isso trouxemos grupos que têm comunicação maior com o público e quebram um pouco esse estigma. Essa foi a proposta para encerrar o evento e tem também esse clima de celebração, quer dizer, a música instrumental também combina com esses momentos.”

Mauricio Fleury, produtor, tecladista e guitarrista da superbanda Bixiga 70, acredita que hoje o público tem mais acesso à música em geral (incluindo instrumental), está mais interessado em ouvir sons diferentes, atentar para detalhes, e com isso “a abordagem mudou”. “No nosso caso, acho que também o que faz a história rolar é que é um som instrumental dançante. Sempre foi nossa intenção fazer uma coisa que carregasse a informação da música instrumental, elaborada, mas que fosse também divertida, pra festejar, celebrar”, diz o músico.

O Bixiga 70 lançou recentemente o segundo e ótimo álbum, que leva apenas o nome da banda, em que vai além do estilo afrobeat do primeiro, incorporando ritmos afro-latinos e afro-brasileiros. “Evidentemente passa pela nossa formação a tradição musical brasileira como o choro. A gente sempre se empolgou com o som de Hermeto Pascoal e de Frank Zappa, que também tem várias músicas instrumentais maravilhosas”, conta Fleury. “Tem vários diálogos musicais dentro da banda, com afrobeat, com dub, que não é necessariamente aquela guerra dos improvisos. Tem um pouco de influência do jazz e do funk, mas a gente tenta fazer um negócio com uma cara diferente.”

O percussionista, baterista e produtor Guilherme Kastrup, em conversa com músicos do Bixiga 70, “ao ver um show deles lotado de gente jovem se divertindo”, lembrou-se da época de sua iniciação musical. “A canção no Brasil é soberana, mas, quando eu era adolescente, nos meados dos anos 80, artistas como Hermeto, Aquarela Carioca, Paulo Moura, Egberto Gismonte e Naná Vasconcelos lotavam lugares grandes como Circo Voador, Parque Lage e Parque da Catacumba. A música instrumental tinha muito público”, lembra.

Na década de 1990, ele viu esse público se perder e a impressão que ficou foi a de que “a busca excessiva pelo virtuosismo foi tornando a música instrumental brasileira mais hermética, as pessoas foram se cansando de tanta nota, velocidades extremas e harmonias cada vez mais complexas”. “Agora, sinto que existe uma renovação de anseios de quem faz música instrumental. Uma busca por novas estéticas, novas fontes de inspiração, e uma procura por restabelecer o contato com o público”, diz Kastrup.

Ele que já integrou a programação da Conexão SP em setembro e cravou seu nome nos créditos de vários CDs e shows de cantores contemporâneos, acaba de lançar o primeiro e dinâmico álbum solo, Kastrupismo, marcado pela diversidade de ritmos e experiências sonoras com eletrônica, outro setor em que a música instrumental tradicional não atua com desenvoltura. “Muitas das músicas surgiram a partir dessas brincadeiras com uma sessão de percussão que eu tinha gravado pra alguma canção. Uma das coisas que mais me influenciou e abriu as portas pra esse tipo de processo foi o gosto pela música eletrônica, em que muitas vezes são os sons que determinam o discurso e há uma liberdade formal muito maior do que a música instrumental que havia me influenciado até então.”

Veja Matéria na íntegra: http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,os-prodigos-fas-da-musica-instrumental,1091889,0.htm