Nascido na cidade do Rio de Janeiro, em março de 1969, o baterista, percussionista e produtor musical Guilherme Kastrup começou a se interessar por música na adolescência com o rock de Black Sabbath, Led Zeppelin e Deep Purple. Posteriormente, o contato com o som psicodélico do Pink Floyd e o Jazz o levou a Música Instrumental de Naná Vasconcelos e Hermeto Pascoal e a Música Popular Brasileira de Milton Nascimento e Gilberto Gil que exerceram grande influência em sua música.
Em 1985 iniciou seus estudos musicais no Conservatório Villa-Lobos, seguindo posteriormente para bacharelado em percussão na Universidade Estacio de Sá. No ano de 1993 mudou-se para São Paulo e passou a se dedicar ao estudo de percussão popular com ênfase em músicas tradicionais como jongos, congados, moçambiques e tambor de crioula. Foi envolto neste universo que o músico passou a trabalhar com ‘percuterias’ – sets híbridos que misturam linguagens e técnicas de bateria e percussão. Os estudos de percussão, nos anos 2000, despertaram o interesse por tecnologia, percussão eletrônica, processos de gravação, microfonação, acústica, programas de gravação e edição.
Kastrup montou, então, seu próprio estúdio, Toca do Tatu, e começou a atuar como produtor musical em trabalhos muito bem recebidos pela crítica e pelo público. Dentre eles, o premiado A Mulher do Fim do Mundo de Elza Soares, De Pés no Chão de Marcia Castro, Volume 1 de Andréia Dias, Amor e outras Manias Crônicas de Badi Assad, A Vontade Super Star de Bruno Morais e Zoró – Bichos Esquisitos de Zeca Baleiro (ganhador do Premio da Musica Brasileira) .
Como instrumentista, vem contribuindo por todos esses anos em shows e gravações nos trabalhos de artistas como Chico Cesar, Arnaldo Antunes, Zelia Duncan, , Adriana Calcanhoto, Tom Zé, Ney Matogrosso, Vanessa da Mata, Zeca Baleiro, Kiko Dinnucci entre muitos outros,
Lançou em 2013 seu primeiro CD autoral Kastrupismo e em 2015 o álbum Sons de Sobrevivência, em parceria com Simone Sou e Benjamim Taubkin. Atualmente, Kastrup faz a direção geral do espetáculo em tournê A Mulher do Fim do Mundo de Elza Soares e prepara seu novo álbum solo.

Release KASTRUPISMO

Originalidade e experimentação definem Kastrupismo, primeiro disco autoral de Guilherme Kastrup Depois de muito tempo contribuindo para o trabalho de outros artistas …

KASTRUPISMO por Arnaldo Antunes

Depois de anos contribuindo para o trabalho de outros artistas com seu talento de baterista, percussionista, programador e produtor; Guilherme Kastrup finalmente …

KASTRUPISMO por Cacá Machado

No Brasil, além de nossa aptidão natural e original para fazer canções também salta aos ouvidos a nossa aptidão orgânica para a …